Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Dezembro Laranja: Mês de Conscientização sobre o Câncer de Pele

A campanha Dezembro Laranja foi criada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia com o objetivo de prevenir e conscientizar a população sobre o câncer de pele. Pessoas de pele clara, com pintas e manchas, idosos, quem se expôs muito ao sol e quem tem histórico de câncer de pele na família estão mais propensos a desenvolver a doença. 

Os cânceres de pele podem ser divididos em melanoma e não melanoma, e os mais frequentes são o carcinoma basocelular e o carcinoma espinocelular, menos agressivos, mas que podem causar lesões funcionais e estéticas. O carcinoma basocelular, mais frequente na população brasileira, costuma apresentar áreas com protuberância, com borda mais elevada e cor mais avermelhada, com pequenos vasos de sangue. Já o carcinoma espinocelular, segundo mais frequente, porém, mais agressivo que o basocelular, tem como característica sinais com aparência endurecida, uma úlcera que lembra um machucado, que não cicatriza.

O câncer de pele melanoma apesar de ser menos frequente, é o mais grave pois pode provocar metástase rapidamente e levar à morte. É conhecido pelas pintas ou manchas escuras que crescem e mudam de cor e formato rápido. As lesões também podem vir acompanhadas de sangramento.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA),em 2020 os números de câncer de pele no Brasil foram preocupantes. A doença correspondeu a 27% de todos os tumores malignos no país, sendo os carcinomas basocelular e espinocelular (não melanoma) responsáveis por 177 mil novos casos da doença por ano. Já o câncer de pele melanoma tem 8,4 mil casos novos anualmente.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que até o ano de 2030 haverá 27 milhões de novos casos de câncer, 17 milhões de mortes pela doença e 75 milhões de pessoas vivendo com câncer. O maior efeito desse aumento será nos países em desenvolvimento. No Brasil, o câncer já é a segunda causa de morte por doenças, atrás apenas das do aparelho circulatório.

A exposição solar exagerada e desprotegida ao longo da vida, além dos episódios de queimadura solar, são os principais fatores de risco do câncer de pele. É preciso prestar atenção em pintas que crescem, manchas que aumentam, sinais que se modificam ou feridas que não cicatrizam pois podem revelar a doença.

O bronzeamento artificial também oferece alto risco de desenvolvimento de câncer de pele, mais do que a exposição aos raios solares. Isso ocorre porque elas emitem altos níveis de UVA, a radiação ultravioleta, de maior risco para o câncer de pele. Porém, desde 2009, quando foram consideradas cancerígenas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), as câmaras de bronzeamento foram proibidas no Brasil, único país a ter essa iniciativa e por isso referência no combate ao câncer de pele.

Como se prevenir 

A exposição à radiação ultravioleta é uma das principais causas da doença, que pode ter seu risco minimizado com o uso de protetores solares, e por meio de outros tipos de fotoproteção, como o uso de chapéus, roupas apropriadas, óculos escuros e escolha adequada do horário de exposição ao sol. 

Segundo o diretor da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) Egon Daxbacher, o filtro com fator de proteção solar (FPS) 30 pode ser utilizado diariamente por pessoas de todos os tipos de pele. Já as pessoas com risco e histórico de câncer da pele na família e que possuem a pele e os olhos mais claros, devem fazer uso do filtro com fator de proteção 60, ou seja, mais alto, sobretudo nas idas à praia ou piscina.

Evitar a exposição excessiva à radiação solar, composta pelos raios UVB e UVA, principalmente entre 10h e 16h, também é uma das recomendações. Quem tem tatuagem deve redobrar os cuidados, pois as tintas escuras usadas nas imagens podem encobrir possíveis lesões do câncer de pele. O melanoma, por exemplo, possui uma alteração celular com muito pigmento, assim como as tatuagens, dificultando a análise da estrutura celular durante os exames patológicos.

Fazer visitas regulares ao dermatologista, também é uma forma de se prevenir contra o câncer de pele. Mesmo se não tiver notado nada de diferente em sua pele, agende uma avaliação!

0/5 (0 Reviews)

Deixe um comentário

Assine e receba conteúdos exclusivos e atualizações do blog